Ministério do Turismo, Instituto Unimed BH e Associação No Ato apresentam:

FETO 20 ANOS: Sempre é tempo de mudar

Nunca imaginamos chegar à vigésima edição do FETO assim. Distantes há meses, mantendo conversas, trocas, pesquisas, trabalhos e relações mediadas pelas telas. Respiramos para nos manter vives, vivas e vivos (com saúde). Em duas décadas de festival, o mundo mudou tanto e nós também. De casa, de formato, de tamanho. A inquietude, resistência e coletividade pertencem historicamente a nós, artistas da cena, estudantes, docentes, enfim, sonhadores de um país melhor, sem desigualdades. Mas a impossibilidade de estarmos juntes agora, era algo impensável até então.

E aqui estamos, diante do FETO 2020, em um novo formato, todo on-line. Já que “reinventar” é uma palavra que traduz o ofício e este momento, resolvemos deixar de lado a discussão se o que temos feito, na web, é teatro ou não. Nesse instante ímpar da história humana, situados radicalmente no presente, lançamos nosso olhar para o que tem sido possível criar em tempos virtuais: onde e como a teatralidade tem sido redescoberta? O que estudantes e docentes têm produzido? O que traz inquietude para a vida e que pode se tornar material para a cena. Como ressignificar com arte o que temos sentido, durante a pandemia?

Em breve, você confere por aqui a programação do FETO 2020.

Agende: de 18 a 26 de novembro, em nossas redes sociais.

Programação

 

Em breve a programação completa estará no ar.

Neste ano, além das categorias Escola de Teatro (com trabalhos de estudantes de instituições que possuem formação profissional, técnica e superior voltados à formação nas artes cênicas – teatro, dança, circo e performance) e Teatro na Escola (estudantes de cursos livres e demais níveis de ensino, fundamental, médio, superior – graduação e pós-graduação de áreas diferentes das artes cênicas – teatro, dança, circo e performance o festival terá 4 categorias. São elas: Criações de minuto, Experimentos cênicos, Ideias confinadas e Fazendo ao Vivo.

Enquanto o Festival não começa, você pode participar de outras ações que fazem parte das atividades da edição 2020.

 

FETO WEBNÁRIO – TEATRO E EDUCAÇÃO: processos Emancipatórios

Conversas virtuais sobre práticas artísticas, autonomia e liberdade

• 8/10, às 19h, no youtube.com/centralfeto

COM Zula Cia de Teatro

Talita Braga
Gláucia Vandeveld
Mariana Maioline
Kelly Crifer
+
Pesquisadores da Universidade do Estado de Santa Catarina
Vicente Concílio (UDESC)
Caroline Vettori (UDESC)
Laís Jacques Marques (UDESC)
+
Coletivo NEGA
Alexandra de Melo – Coletivo NEGA

Mediação: Marcos Alexandre

Bate-papo

       Em breve a programação completa estará no ar.

Oficinas

Da minha tela eu vejo: teatro-educação em tempos de confinamento

Com os Charles Valadares e Raysner de Paula

A proposta da oficina é experimentar, por meio de videoconferência, exercícios criativos inspirados em jogos teatrais, improvisação e invenção de narrativas ficcionais para serem vividas por meio do ambiente virtual, em diálogo com as culturas da infância e juventude.
Além disso, fomentar reflexões acerca das potências e complexidades do ciberespaço,
vivenciando gestos criativos que possam ser experimentados e inventados coletivamente diante da tela.

Saiba mais

Datas:  07, 14, 21 e 28 de outubro e  04 e 11 de novembro (sempre quarta-feira)

Horário:  19h às 21h

Para quem: Profissionais da educação básica e demais pessoas interessadas nos diálogos entre teatro e educação em práticas que envolvam crianças e jovens.

Inscrições encerradas. 

Vagas: 20

 

Saiba mais sobre Charles Valadares e Raynser de Paula

Professor de Teatro, ator e Doutorando em Artes pela UFMG, Charles Valadares já desenvolveu práticas educativas com crianças, adolescentes, jovens e idosos, em espaços formais e informais. É interessado nas relações entre teatro, infância e cena contemporânea. Como pesquisador busca se aproximar dos modos de ser e estar da criança por meio de escuta sensível, convívio, criação e inventividade.

Raysner de Paula é professor de Teatro, dramaturgo e ator. Entrelaçando essas funções, tem desenvolvido diferentes trabalhos de pesquisa e criação artística,  tanto no campo do ensino (atuando como professor na educação básica, e também em espaços não-formais) quanto no convívio e parceria com grupos e coletivos teatrais de diversas cidades brasileiras. Atualmente tem se dedicado a elaborar práticas e reflexões que mantenham vivos os espaços de criação e partilha de gestos artísticos enriquecidos com teatralidade.

 

Resultado

Segue a lista de selecionados para a oficina Da minha tela eu vejo: teatro-educação em tempos de confinamento:

Aderilson Pereira Fonseca
Alessandra Monzo dos Santos
Ana Cristina Carvalhi
Anderson de Souza
Bárbara Fátima Dos Santos Lara
Bernadete Neves
Elaine Caroline do Nascimento Libório
Gean Carlos
Gislaine Maria
Heitor Tavares Zanoni
Joana da Costa Ribeiro
Jorge Milton
Kathya Luzia
Kelly Lorraine de Souza
Leonardo Lopes Granha
Marcelo Guimaraes Belga
Marília Cristina
Renata Cristina Ferreira Silva da Paz
Rogileu Ferreira
Susana Nori de Macedo
Vanessa Soares de Paiva

E.C.O.S. – Memória como percurso criativo – miradas latino-americanas

Com Idylla Silmarovi

A oficina E.C.O.S pretende investigar a partir do pensamento e das obras de artistas latino-americanas das artes presenciais, apontamentos acerca da memória como caminho de criação cênica-performativa. Passando desde a memória pessoal, do trauma colonial, da memória
política em resistência às ditaduras militares até a elaboração de novas possibilidades de futuro, a oficina propõe uma vivência prática e de pesquisa para a criação de imagens e ações que visam burlar as narrativas hegemônicas acerca das artes cênicas.

Saiba mais

Datas: 18, 20 e 23 de novembro

Horário:  10 às 12h

Para quem: estudantes, professores, artistas e interessado em geral

Faixa etária: a partir de 14 anos

Vagas: 20 vagas

Inscrições até 5/11 no link http://bit.ly/oficinaecos.

Saiba mais sobre Idylla Silmarovi

Artista da cena e pesquisadora sudaca. Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Artes cênicas da Universidade Federal de Ouro Preto, Idylla Silmarovi formou-se no curso de licenciatura em teatro da UFMG e no Centro Técnico Teatro Universitário. Investiga as interseções entre a arte e memória nas artes cênicas e aponta para as questões de gênero e sexualidade.  É pesquisadora e atriz no projeto GUERRILHA – experimento para tempos sombrios. Faz parte do coletivo Academia TransLiterária. É parceira do coletivo Toda Deseo e Bacurinhas. Diretora artística e idealizadora da plataforma Zona de Encontro.

Oficina de Dramaturgia Audiovisual no Teatro

Com Mateus Cardoso

A oficina de Dramaturgia Audiovisual pretende apresentar e praticar as técnicas utilizadas pelo Grupo Carmin de teatro para aplicação do audiovisual na cena. A oficina abordará situações dramáticas que podem ser potencializadas ou enfraquecidas quando se usa projeção no palco e de como justificá-la na dramaturgia para que o diálogo entre os departamentos criativos e técnicos tenha coerência. A partir de noções de direção de fotografia, como luz e enquadramento, serão abordados aspectos de como o cinema pode dialogar e contribuir com as artes cênicas. O objetivo é relatar os erros, acertos e reflexões realizadas nos processos do Carmin acerca desse dispositivo, além de analisar o resultado final destes e de outros espetáculos que utilizam audiovisual. Como consequência da atividade, serão realizadas cenas que experimentem com equipamentos de câmera, som e projeção os princípios estudados na oficina tendo o gênero de teatro documental como base.

Saiba mais

Datas: 23 a 26 de novembro

Horário: 19 às 21h

Para quem:  estudantes, professores, artistas e interessados em geral. É interessante, mas não obrigatório, que os participantes já tenham tido alguma vivência de palco.

Faixa etária: a partir de 14 anos

Vagas: 20 vagas

Inscrições até 5/11 no link http://bit.ly/dramaturgiaaudiovisualnoteatro

Saiba mais sobre Mateus Cardoso

Natural de Natal, nascido em 1988, formado em Comunicação Social com habilitação em Rádio e TV pela UFRN e com especialização em cinema pela Universidade Estatal Russa de Cinematografia (ВГИК – VGIK). Mateus Carvalho participou como assistente de produção no longa metragem “Наследники – Herdeiros”; do  diretor Vladimir Ivanovich Khotinenko, realizado em 2015 em Moscou. Em 2016 assumiu a posição de diretor criativo da Casa da Praia Filmes onde está até hoje. Pela produtora roteirizou e estrelou a websérie “Dalton/Hebe” (2016) , roteirizou e fez assistência de direção do videoclipe “Porcelain” (2017), produziu o curta-metragem documental “Tingo Lingo” (2018) e fez a assistência de direção do curta metragem ficcional “Vai Melhorar”. Em 2017 estreou como ator no grupo Carmin no espetáculo “A Invenção do Nordeste”. Atualmente está no elenco do repertório do Grupo Carmin nas peças “Jacy” e “A Invenção do Nordeste” e também participando da montagem de “Gente de Classe”, a nova peça do Grupo Carmin.

EM BREVE INFORMAÇÔES SOBRE INSCRIÇÃO.

Críticas e resenhas

Durante o FETO, profissionais especializados escreverão sobre os trabalhos que compõem a programação. Nesse espaço, você tem acesso às críticas e resenhas. Acompanhe!

Quem é quem no FETO 2020

Ana Fabrício

Curadoria
FETO 20 anos

Eliezer Sampaio

Curadoria
FETO 20 anos

Paulo Celestino

Curadoria
FETO 20 anos

Gláucia Vandeveld

Curadoria e Concepção da edição 2020, Coordenação Artística e Pedagógica.

Marina Arthuzzi

Curadoria
edição 2020

Michelle Sá

Curadoria
edição 2020

Charles Valadares

Oficina

Idylla Silmarovi

Oficina

Mateus Cardoso

Oficina

Raysner de Paula

Oficina

Cris Diniz

Concepção da edição 2020 e Coordenação Técnica

Fabiano Lana

Edição de vídeo – Motion Graphics e Transmissão ao vivo

Beatriz França

Coordenação de comunicação e assessoria de imprensa

Letícia Leiva

Gestão de redes sociais


Matheus Carvalho

Gestão de redes sociais

Ana Carolina Nicolau

Webdesign

Lu Gondim

Projeto gráfico

Valentina Vandeveld

Produção Executiva

Bruna Luiza

Produção executiva e analista de projeto

Luisa Monteiro

Coordenação de produção e concepção da edição 2020