Enquanto o país passava por um turbilhão político e econômico, a 16ª edição do FETO foi realizada movida pelo entusiasmo corajoso de estudantes do Brasil, Chile, Argentina e México.

Foram 149 espetáculos inscritos de todas as regiões do Brasil, dos quais 11 foram selecionados para a programação. A edição contou com 03 oficinas, sendo uma delas executada na Praça de Santa Tereza, aberta a todos os interessados que estivessem no local. Esta atividade foi ministrada pela Cia.Carroça de Mamulengos, que também abriu o Festival com o espetáculo Janeiros. A noite de abertura foi animada pela Corte Devassa, bloco de Belo Horizonte que colocou todos para dançar e celebrou o início de mais uma edição.

Com o apoio do edital Iberescena, o FETO 2016 contou com a Mostra Intercâmbios Possíveis, que trouxe para BH um espetáculo Chileno, um Argentino e um diretor mexicano, que remontou um de seus espetáculos com elenco brasileiro em uma oficina-montagem.

Foram 03 ações da Rede Plateia após apresentações. Nelas, público e artistas trocam reflexões e referências, aguçando os sentidos para a obra apresentada. Os Olhares, tradicionais encontros dos participantes com pesquisadores, artistas e professores que oferecem aos grupos retornos sobre seus trabalhos também seguiram firmes neste ano.

No CaFETO, os participantes tiveram a oportunidade de assistir a Peter Pal Pelbart tratando de teatro e resistência, para em seguida, finalizar o Festival em uma festa com direito a show da banda Todos os Caetanos do Mundo.

Um ano em que, para a cultura, foi preciso resistir para existir.